In Literatura

5 distopias escritas por brasileiros

Não sou o primeiro nem serei o último a comentar sobre o destino do Brasil. Pera, não é polêmica política, tá? É em relação ao livro de 1941 do escritor austríaco Stefan Zweig, “Brasil, o país do futuro”. Fugido do nazismo, Stefan foi parar em Petrópolis, a cidade imperial no Rio de Janeiro, em um país sob regime ditatorial.

O livro de Zweig recebeu críticas bastante negativas, principalmente por enaltecer um país em regime ditatorial. Pra quem dormiu na aula de História, nos anos de 1940 o Brasil estava sob regime militar no período do Estado Novo de Getúlio Vargas. Mas e se fosse uma ficção? E se o narrador propositalmente elogiasse a nova nação por estar imerso numa realidade mais confortável que a anterior? Acho que esse papo tá ficando Black Mirror demais, né?

Na verdade, nem Black Mirror. Mas, sim, distópico. E é falando em distopia que a gente acaba despertando a reflexão pra assuntos políticos que acabam ficando à margem da sociedade. Guerras, fome, poluição, extinção das espécies, tecnologia, supervalorização da imagem, regimes totalitários: esses são temas bastante explorados na ficção distópica. Contudo, a gente não encontra isso somente em Jogos Vorazes e Divergente. Tem muita produção nacional interessante na qual encontramos esses temas.

Em tempos pós-Bush, com Temer, Eduardo Cunha, Bolsonaro, Trump, Kim Jong-Un, é claro que o tema da distopia iria voltar com muita força. Quem sabe dessa forma a gente consegue abrir os olhos e a mente para os problemas que realmente importam no nosso cotidiano, né? Se o jornalismo não tá gerando a nova revolução, que a ficção o faça.

Assim, apresento a vocês 5 obras de escritores (homens e mulheres) que se aventuraram por essa ponta política e social da ficção científica.

A Torre Acima do Veú
de Roberta Spindler

No futuro, a humanidade se divide em blocos, e o Brasil virou a União Latina. Em tal momento, a megalópole Rio-Aires, assim como várias outras ao redor do mundo, são atingidas por uma densa névoa. Esse fenômeno dizima boa parte da população do mundo, e apenas quem habita nas montanhas ou em edifícios pra lá dos 300 andares é que consegue escapar da névoa, que é tóxica e causa mutação em humanos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Governos ruíram, líderes morreram e a desordem predominara, até que algumas pessoas se uniram para buscar alimentos e equipamentos abaixo da névoa. A liderança dessa nova sociedade é da torre mais alta em Rio-Aires, que espalha comandos às outras torres e vamos acompanhar Rebecca na expedição por essa nova superfície.

A autora, Roberta Spindler, é uma publicitária e editora de vídeos de Belém, Pará, e é coautora de Contos de Meigan – A Fúria dos Cártagos. A Torre Acima do Véu passou MESES fora de catálogo na Amazon e em outras lojas online, mas voltou recentemente. Acabei encontrando na Bienal do Livro no Ceará e foi a maior surpresa do evento até o momento!

A Torre Acima do Véu
Edição de 2015 da Giz Editorial
ISBN: 9788578552312
288 páginas
Skoob | Goodreads
Onde encontrar: Amazon BR

Supernova: O encantador de flechas
de Renan Carvalho

Acigam é uma cidade isolada do restante do mundo. Ela parou de evoluir com o resto da sociedade e vive num regime ditatorial com a iminência de uma guerra civil. Em Acigam, ninguém entra ou sai, nada entra ou sai: nem mesmo há comunicação com o mundo de fora. O isolamento é tanto que a ciência é vista como magia, e os chefes de estado usam desse conhecimento pra dominar e oprimir a população.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Renan Carvalho é profissional de marketing pela USP e já escreveu a continuação da série: A Estrela dos Mortos. A inspiração para a série surgiu da vivência pelo Brasil, observando e sentindo a corrupção na política, serviços públicos precários e infraestrutura duvidosa. O prólogo e 1º capítulo de O encantador de flechas pode ser lido no Issuu.

Supernova: O encantador de flechas
Edição de 2015 da Novo Conceito
ISBN: 9788581636795
440 páginas
Skoob | Goodreads
Onde encontrar: Amazon BR

Cidades-Mortas
de Dêner B. Lopes

Este slideshow necessita de JavaScript.

Lisarb é um território cheio de tirania. Nesse lugar onde há apartheid racial (pessoas negras e brancas não podem se relacionar ou frequentar lugares públicos juntos), 10 casais de jovens são votados a participarem de um reality show nas Cidades-Mortas, favelas abandonadas cheias de comida e armamento. Com evidente inspiração em Jogos Vorazes, de Suzanne Collins (que pegou a mesma premissa de Battle Royale, de Koushun Takami), Dêner explora a política do Pão e Circo num Brasil bem mais desregulado que o normal.

Cidades-Mortas
Edição de 2015 da Chiado Brasil
ISBN: 9789895122493
204 páginas
Skoob | Goodreads
Onde encontrar: Cultura

Não Verás País Nenhum
de Ignácio de Loyola Brandão

Esse é o mais antigo de todos. Lançado originalmente em 1981, nasceu como um conto e expandiu para um romance de um Brasil liderado por um governo chamado Esquema. Nesse futuro, a Amazônia é um deserto, comida e água são escassos, e a comunidade se divide em castas. Manifestações populares são reprimidas com violência e palavras e expressões ganham sentido de tabu, impronunciáveis sob pena de castigo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na trama, acompanhamos Souza, um homem que descobre um furo em sua mão. Na busca por respostas, ele caminha por uma São Paulo inóspita e praticamente virada ao contrário. A obra ainda ganhou duas adaptações para o teatro: uma de Fortaleza, em 1987, e uma de Belo Horizonte, em 2016.

Não Verás País Nenhum
Edição de 2008 da Global
ISBN: 9788526012974
381 páginas
Skoob | Goodreads
Onde encontrar: Amazon BR

Anômalos: A Ilha dos Dissidentes
de Bárbara Morais

Este slideshow necessita de JavaScript.

O livro inicia com Sybil Varuna, fugida da terra natal por conta da guerra. Após escapar com vida de um naufrágio, Sybil descobre ser uma “anômala” e acaba sendo enviada para viver com uma nova família. Assim como ela, essas pessoas têm habilidades especiais, mas não são mutações genéticas que irão salvá-los da guerra. Bárbara Morais é de Brasília e economista por formação e escreveu mais 2 livros da série Anômalos: A Ameaça Invisível e A Retomada da União.

Anômalos: A ilha dos dissidentes
Edição de 2013 da Gutenberg
ISBN: 9788582350751
304 páginas
Skoob | Goodreads
Onde encontrar: Amazon BR

***

É muito importante que a gente demonstre interesse e apoie o trabalho de escritores nacionais. Atualmente, o esforço que eles têm de fazer para se destacar nas vitrines das livrarias é praticamente o triplo. Então, vamos aproveitar espaços como o da Bienal do Livro do Ceará pra conhecer novos autores e saber o que as produções deles têm de bom. O sentimento, no fim, acaba sendo de compensação. Vale a pena ler nacionais.

Então, só lembrando: Bienal do Livro do Ceará acontece no Centro de Eventos do Ceará (Av. Washington Soares, 999 – bairro Edson Queiroz), com programação gratuita diária até 23/04. Dá uma passada lá e olha os stands dos livros baratinhos. Talvez você tenha, logo ali, a maior surpresa da sua semana.

Compartilhe:

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

6 Responses to 5 distopias escritas por brasileiros

  1. Rubyane disse:

    Gostei das dicas. Desses livros eu só conhecia A Ilha dos Dissidentes (que é um dos livros que estou lendo atualmente), A Torre Acima do Véu e O encantador de flechas. Achei interessante os outros dois livros, já vou adicionar eles na minha listinha no skoob.

  2. babiibueno disse:

    Gostei da iniciativa de mostrar as obras brasileiras desse genero que tem tanta procura.Desses livros eu apenas conhecia “Não veras pais nenhum”( que não gostei :/) e ja tinha visto algo de “A ilha dos dissidentes ” no Instagram ,mas nem sabia direito o que falava.
    Abraços

    Meu mundinho quase perfeito

    • Falkner disse:

      Infelizmente foi um pouquinho complicado achar informações aprofundadas sobre esses livros, tanto em blogs quanto no booktube :\ E é justamente “Não verás país nenhum” que é mais difundido, por ser mais antigo. Quem sabe encontro ele em algum sebinho e acabo lendo, só pra matar a curiosidade mesmo

  3. TaryBelmont disse:

    Adorei a temática de cada um desses livros. Principalmente A Torre Acima do Véu e Cidades-Mortas. Não sou muito fã de distopias, não consigo gostar dessas novas adolescentes, e das antigas a unica que li foi Admirável Mundo Novo (que eu amei). Adoro livros de autores nacionais, então acho que é uma boa pra tentar conhecer mais do gênero.

    • Falkner disse:

      Algumas distopias mais adolescentes acabam perdendo muito tempo no drama e chega um momento até em que o romance se sobrepõe ao político e ao social, que deveria ser o mais relevante, né? O que me atrai no gênero é justamente a imaginação desse mundo estranho que conversa nas entrelinhas com a nossa realidade

Deixe uma resposta